IGNOROU

Além de e-mails, carta da Pfizer cobrando resposta sobre vacinas chegou ao gabinete de Bolsonaro


Voiced by Amazon Polly
Compartilhe

Ao menos uma carta da Pfizer cobrando um posicionamento do Brasil em relação às ofertas de vacinas contra a Covid-19 chegou ao gabinete do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em setembro de 2020, de acordo com documentos do governo federal obtidos pelo site O Antagonista via Lei de Acesso à informação. As informações são do G1.

No documento, o presidente da Pfizer, Albert Bourla, informa a Bolsonaro que representantes da farmacêutica haviam se reunido com representantes do governo para tratar da compra de vacinas, mas que a empresa ainda não havia recebido nenhuma resposta.

A carta já havia sido citada pelo ex-secretário de Comunicação da Presidência Fábio Wajngarten, em depoimento no dia 12 de maio à CPI da Covid no Senado. Na ocasião, Wajngarten disse que soube da carta em novembro, o que demonstraria que a Pfizer ficou sem resposta por pelo menos dois meses.

Segundo os documentos disponibilizados pela Presidência, a chefe do Gabinete Adjunto de Gestão Interna, que integra o gabinete pessoal de Bolsonaro, Aida Íris de Oliveira, acusou o recebimento da carta.

A carta foi enviada pelo presidente da Pfizer no dia 12 de setembro e, dois dias depois, Aida acusou o recebimento e informou, por meio de ofício, que o documento seria enviado aos ministérios da Saúde e da Casa Civil, chefiados à época pelo general da ativa Eduardo Pazuello e Braga Netto, respectivamen

Post navigation

Redação

O Correio 68 é um site de notícias fundado em 2020 que tem o compromisso de trazer tudo o que o acreano precisa saber para se manter bem informado.
Close Bitnami banner
Bitnami