DEU RUIM

Estrela da internet, delegado chama policiais de ‘ratos’ e é tirado da rua


Voiced by Amazon Polly
Compartilhe

A Polícia Civil de São Paulo decidiu afastar das ruas o delegado Carlos Alberto da Cunha, conhecido como Delegado da Cunha nas redes sociais. Em perfis no YouTube, Instagram e Facebook, ele conta com milhões de seguidores por publicar vídeos que mostram sua rotina de abordagens, prisões e incursões em favelas. Além de ser despachado para o serviço burocrático, o policial foi obrigado a entregar todos os pertences da instituição que estavam em sua posse, como armas, algemas e distintivo.

O afastamento e recolhimento das armas foram determinados pelo Delegado Geral de Polícia, Ruy Ferraz Pontes, na última sexta-feira (23), segundo documento obtido pelo UOL. A decisão ocorre após procedimento administrativo disciplinar aberto contra Cunha após ele participar de uma entrevista em um canal no YouTube. De acordo com o texto de Fontes, o policial usou “linguagem inadequada e comentários depreciativos à imagem institucional”.

O documento relata que, durante o podcast Flow Podcast, Cunha chamou policiais civis com mais de 55 anos de “ratos” e “raposonas”, o que causou indignação entre seus colegas.

O relatório que pediu o afastamento atribui “gravidade” à conduta de Cunha. Aponta ainda que ele tem grau de “periculosidade interna”, por prejudicar a organização policial e o serviço público, e de “periculosidade externa”, por comprometer a imagem e credibilidade da Polícia Civil.

Cunha, que é negro, é um fenômeno nas redes sociais. Considerando seu canal no YouTube e seus perfis em Facebook e Instagram, ele possui mais de 8 milhões de seguidores.

Em vídeo publicado em 22 de julho, Cunha mostra uma de suas últimas operações. De uma arma de grosso calibre na mão, ele conduz sua equipe até uma favela, onde anda por becos e vielas da comunidade atrás de suspeitos de tráfico de drogas.

O delegado também é filmado conversando com dois homens detidos, que estão sentados no porta-malas de um veículo da Polícia Civil. A imagem dos rostos deles aparecem borrada, artifício gráfico para o delegado não cair no crime de abuso de autoridade. Um deles, vestido com o uniforme dos coletores de lixo de São Paulo, diz estar arrependido pelo suposto tráfico. Diante disso, Cunha diz que “necessidade todo mundo passa” e que ele mesmo já enfrentou dificuldade a vida inteira. Depois pergunta se tem cara de playboy, e o detido diz que “não”.

Durante a conversa, Cunha oferece uma garrafa de água aos dois homens, que bebem. Enquanto isso, ele conta que teve um primo preso por 15 anos por tráfico. Neste momento, o jovem passa a contar que entrou para o crime para sustentar a família. Após um deles reclamar que a algema está apertada, Cunha pede para afrouxar as amarras.

 

+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0

Post navigation

Redação

O Correio 68 é um site de notícias fundado em 2020 que tem o compromisso de trazer tudo o que o acreano precisa saber para se manter bem informado.
Close Bitnami banner
Bitnami