PEDIU PARA SAIR

Aluno soldado que brigou na Justiça para voltar ao curso da PM pede novamente para sair


Voiced by Amazon Polly
Compartilhe

Após ser reintegrado ao curso de formação da Polícia Militar (PM) por determinação da Justiça, o aluno Reginaldo Ribeiro, de 34 anos decidiu, desta vez por vontade própria, desistir do curso.

Ribeiro havia sido desligado do curso pela primeira vez no dia 3 de setembro, apenas três dias após o início do curso. Na época, ele afirmou ter passado mal em um treinamento e chegou a denunciar a instituição por maus-tratos e pressão psicológica para que desistisse do curso.

LEIA TAMBÉM:

Ele também afirma ter assinado o documento de desistência em um momento em que estava desorientado, sobre o caso, a PM chegou a comentar em nota:

“A primeira semana de curso mostra-se sempre difícil para os alunos, já que estão saindo do meio civil e ingressando na carreira militar, e não possuem o psicológico e, especialmente, o físico, adaptados para a realização de atividades que demandem um esforço maior.”

Para retornar ao curso, Ribeiro acionou a Justiça e conseguiu uma liminar no dia 30 de setembro determinando sua reintegração. Ele foi aprovado no cadastro reserva do concurso da PM de 2017.

Na decisão, a defensoria informou que “obteve decisão favorável na ação de obrigação de fazer com pedido de tutela provisória de urgência, para que o ato administrativo que desligou o aluno soldado R.R.S do Curso de Formação da Polícia Militar do Estado do Acre (PMAC), seja declarado ilegal e determinar a reintegração do aluno ao curso de formação.”

Nesta segunda vez, ele confirma que a desistência foi solicitada por conta própria, após assumir não ter perfil para suportar a pressão psicológica e física do curso: “seriam nova meses nessa ralação e eu desisti”.

A desistência deve ser publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) nos próximos dias.

Post navigation

Anderson Siqueira

Editor-chefe, escritor, professor de idiomas e assina o Blog do Siqueira
Close Bitnami banner