BEM-ESTAR

Por que um ataque de pânico acontece e como evitá-lo?


Voiced by Amazon Polly
Compartilhe

Respiração irregular e curta, palpitações e sensação de algo catastrófico irá ocorrer. Esses são alguns dos sintomas físicos e psicológicos que uma pessoa pode experienciar durante um ataque de pânico.

Recentemente, a condição voltou a ser assunto após o anúncio do fim do casamento da cantora Wanessa com o empresário Marcus Buaiz. A cantora sofre de episódios de pânico, e sua condição tornou-se pública após o documentário “É O Amor”, da Netflix, que mostrou o dia a dia da família Camargo.

A minissérie chega a mostrar Wanessa tendo algumas dessas crise e revelando medo de morrer. Em uma dessas cenas, ela é vista sendo amparada pelo pai, Zezé, no banheiro.

O que é o ataque de pânico?

O transtorno do pânico (TP) é caracterizado por crises de ansiedade repentina e intensa. As crises podem ocorrer em qualquer lugar, contexto ou momento.

“Estima-se que a maioria das pessoas experimentará pelo menos um desses ataques inesperados em algum momento de sua vida”, diz Andrea Reinecke, do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Oxford.

O gatilho que dispara essa resposta exacerbada ocorre na região central do cérebro, que é responsável pelo controle das emoções e da liberação de adrenalina. Esse hormônio faz com que o organismo se prepare para fugir ou lutar diante de uma situação de perigo.

Mesmo sem um perigo real, o cérebro pode disparar esse alarme fazendo com que o medo intenso assuma o controle do corpo.

Em que situação pode ocorrer

Um ataque de pânico tende a ocorrer em casos de ansiedade severa. Pode acontecer  diante de algum gatilho conhecido, como exposição a uma situação traumática ou a algo que cause medo, mas também pode ocorrer de maneira inesperada, sem uma causa óbvia.

Há pessoas que sentem a crise de pânico durante ou ao final de um período muito estressante, como em crises financeiras, brigas, separações.

Sintomas:

Alguns dos sintomas clássicos são:

  • Falta de ar e respiração ofegante;
  • Palpitação;
  • Suor;
  • Tontura;
  • Formigamento nos dedos;
  • Tremores;
  • Sensação de estar fora do corpo;
  • Medo de morrer;
  • Náuseas.

O que fazer?

Diante da iminência de uma crise de pânico, algo muito simples pode ajudar: a respiração. A ideia é tirar o foco para os sintomas que estão aparecendo no corpo e respirar lenta e profundamente.

Parece bobo, mas não é.

Nossa respiração é um calmante natural e pode ajudar numa leve sensação de relaxamento.

Nesse momento de grande ansiedade, procure respirar estufando o abdômen, fazendo com que o ar passe pelo diafragma em um ritmo ideal de sua respiração.

Pode-se inspirar puxando o ar em 4 segundos, segurar a respiração por 4 segundos e expirar todo o ar de seus pulmões por 6 segundos, procurando sempre estar confortável com o tempo da respiração.

Enquanto respira, tente identificar 5 coisas que você pode ver, 4 coisas que pode tocar, 3 coisas que pode ouvir, 2 coisas que pode cheirar
1 coisa que pode sentir o gosto. Isso ajudará a tirar o foco da situação estressante.

Tratamento

É claro que, como toda doença, o transtorno de pânico também exige acompanhamento médico e tratamento, que pode incluir medicamentos e psicoterapia.

Mudanças na rotina também podem contribuir, como adotar exercícios físicos – que aumentam a sensação de prazer – e seguir uma alimentação saudável, com redução de açúcar e cafeína.

Post navigation

Redação

O Correio 68 é um site de notícias fundado em 2020 que tem o compromisso de trazer tudo o que o acreano precisa saber para se manter bem informado.
Close Bitnami banner