ABUSO

Servidora pública paranaense é mantida em cárcere privado em aldeia no Acre


Foi divulgado pela Polícia Civil nesta segunda-feira (6/6) que uma servidora do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) do Paraná estava sendo mantida em cárcere privado e foi agredida na Aldeia Grota, na zona rural de Feijó.

O suspeito dos crimes é um cacique de 50 anos da aldeia, com quem ela tinha um relacionamento há mais de um ano. Ele foi preso na última sexta (3) por lesão corporal, cárcere privado e maus-tratos na terra indígena. A aldeia fica a uma distância de quatro horas de barco da zona urbana de Feijó.

A prisão foi acompanhada por equipes do Ministério Pública do Estado, Corpo de Bombeiros e pelo chefe substituto da Coordenação Técnica Local (CTL) da Fundação do Índio (Funai) do município, José Augusto Brandão.

Segundo informações, a mulher de 42 anos se relacionou com o cacique após visita ao Acre e decidiu ficar. Foi então que ela começou a sofrer agressões físicas e psicológicas praticadas pelo indígena desde o início do relacionamento. Em 2021, a Polícia Civil já tinha recebido denúncias do crime, uma equipe foi até a aldeia, mas o homem não foi preso por falta de provas.

Ela deve retornar ao Paraná ainda nesta terça-feira (7).
FONTE: g1

Post navigation

Redação

O Correio 68 é um site de notícias fundado em 2020 que tem o compromisso de trazer tudo o que o acreano precisa saber para se manter bem informado.