ARQUEOLOGIA

Novos geoglifos são registrados na fronteira do Acre com a Bolívia


Na última semana, durante um sobrevoo de rotina do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) a bordo do Harpia 04 à divisa do Acre com a Bolívia, foi possível visualizar novos grupos de desenhos milenares conhecidos como geoglifos numa região já conhecida por pesquisadores estudiosos destas construções antigas.

A missão foi conduzida pelo comandante Samir Rogério, tenente-coronel da Polícia Militar e coordenador de operações do Ciopaer, e na tripulação estavam o segundo-sargento da Polícia Militar Keury Souza, o primeiro-tenente do Corpo de Bombeiros Militar Roger Johnny Filgueira, e o repórter fotográfico Diego Gurgel, partindo do hangar logo cedo, antes de amanhecer e se distanciando 80km em linha reta em direção à fronteira com o país vizinho, quando avistaram as primeiras formas geométricas dispostas em grupos.

Ao todo foram registrados três conjuntos de geoglifos próximos uns dos outros, circulares e quadrados,  e “só foi possível enxergá-los graças à angulação acentuada dos raios solares da manhã, caso contrário seria praticamente impossível enxergá-los, pois seus barrancos não produziriam uma sombra”, afirmou Diego Gurgel.

“Os geoglifos são muito difíceis de serem visualizados em outra hora do dia, pois a falta de sombras apaga as formas, sendo eles ignorados por muitos que sobrevoam a Amazônia”, acrescentou.

Ao todo foram registrados três conjuntos de geoglifos próximos uns dos outros, circulares e quadrados. Foto: Diego Gurgel/Secom

Importância histórica

Geoglifos são estruturas ou construções dos povos ancestrais que viveram nessa região que hoje é o estado do Acre.

Vistos do alto, são desenhos no solo (geo=terra, glifo=marca), com formatos de círculos, quadrados, retângulos, pentágonos, octógonos dentre outras formas, simples, compostas, isoladas ou em grupos.

No final do século passado e no início dos anos 2000 as primeiras fotos foram registradas pelos veteranos Agenor Mariano, Edison Caetano e Sérgio Vale e hoje fazem parte do acervo fotográfico da Secretaria de Comunicação do Governo do Estado do Acre.

Vistos do alto, são desenhos no solo (geo=terra, glifo=marca), com formatos de círculos, quadrados, retângulos, pentágonos, octógonos dentre outras formas, simples, compostas, isoladas ou em grupos. Foto: Diego Gurgel/Secom

A partir do ano de 2005, foi organizado e consolidado o Grupo de Pesquisas dos Geoglifos da Amazônia Ocidental, sob a liderança da Dra. Denise Schaan (1962-2018), do Museu Goeldi e Universidade Federal do Pará, com o apoio do Dr. Martti Pärsssinen, da Universidade de Helsinki (Finlândia). Com as escavações, fotos aéreas, medições em campo e o uso de Lidar (Light Detection and Ranging), sensor de medição e topografia a laser por radares. Muito se ampliou o conhecimento dessas estruturas com as novas tecnologias, tipo GoogleEarth e ZoomEarth. Assim, sabemos mais sobre a sua distribuição geográfica.

Estas novas imagens feitas pelo fotógrafo Diego Gurgel são importantes registros históricos, pois afirmam a presença de geoglifos na região entre a margem direita do Igarapé Miterrã, e a margem esquerda do Rio Rapirrã, próximos à Bolívia, mais precisamente entre os municípios de Capixaba e Plácido de castro.

Durante um sobrevoo de rotina do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) a bordo do Harpia 04 à divisa do Acre com a Bolívia, foi possível visualizar novos grupos de desenhos milenares conhecidos como geoglifos. Foto: Diego Gurgel/Secom

As datações de outros geoglifos no estado do Acre indicam uma idade entre 1500 a 2000 anos. Eles deixaram de ser construídos ou abandonados por volta do ano de 1200, ou seja, 300 anos antes da chegada de Cabral ao Brasil.

Estes povos desapareceram, mas sua memória ficou tatuada na paisagem do Acre.

Post navigation

Agência de Notícias