OPINIÃO

“A nossa bandeira jamais será vermelha”


Os gritos de “nossa bandeira nunca será vermelha” sempre foi uma moda entre aqueles que se dizem anticomunistas no Brasil. Recentemente, foi assim que apoiadores do presidente Jair Bolsonaro o receberam em sua visita a Londres para o funeral de Elizabeth II. No entanto, o grito foi feito livremente em frente à residência oficial do Embaixador, onde tanto a bandeira da Inglaterra como a do Reino Unido possuem grandes detalhes em vermelho. O que eles achariam se entendessem o português?

Bandeira vermelha é de país comunista?

Não! Acontece que, cada bandeira possui traços que representam aquela nação. Países alinhados com o socialismo, por exemplo, costumam adotar o vermelho para simbolizar o sangue da classe operária e nem mesmo é uma regra. Cuba tem um apenas um pequeno detalhe na cor, sendo reforçados por azul e branco. Em outros países que já adotaram o regime alguma vez (como Somália e Nicarágua), a cor sequer aparece. Enquanto isso, países como Estados Unidos, Noruega, Dinamarca e Suíça, esbanjam e se orgulham das cores vermelhas de suas bandeiras. Não só eles, claro! A cor é uma das mais presentes em bandeiras, no total, estão nos símbolos nacionais de 148 países e entre seus significados representam valor, honra, batalhas, luta, revolução, flores, Sol e a terra. Logo, demonizar a cor vermelha em bandeiras, além de não ter sentido, é um desrespeito a grande parte das nações.

Verde, amarelo e o patriotismo

Desde a escola, aprendemos que as cores da bandeira do Brasil são verde, amarelo e azul com propósitos. Um representaria as florestas, outro o ouro e o terceiro o céu. Ledo engano, na verdade o verde e amarelo sempre foram as cores da família real Portuguesa, da Casa de Bragança. Em suma, as cores na verdade representam o colonizador, de quem em todo 7 de setembro comemoramos a independência. Durante o Brasil Império, a bandeira nacional ganhou, inclusive, alguns detalhes avermelhados, como uma cruz de malta e uma coroa.

Qual o significado da bandeira do Brasil Império e por que ela foi apropriada por bolsonaristas - BBC News Brasil

Em contrapartida, o vermelho possui uma identidade grande com o Brasil. A começar, claro, pelo nome: todos sabem que a palavra Brasil se originou de “pau-brasil”, uma árvore de onde é extraída uma tinta de cor vermelha viva. O pau-brasil foi o que primeiramente chamou a atenção dos portugueses para colonizar essas terras, logo, foram atraídos pela cor vermelha. Além disso, o próprio nome tem entre suas origens o latim, “vermelho como brasa”.

Após a queda do Império, diversas propostas para a nova bandeira que representaria a República foram apresentadas, tentando deixar para trás tudo que nos ligasse ainda ao Império e a Portugal. Mas por fim, acabou se optando por manter o retângulo verde louro e o losango amarelo, trocando o brasão imperial pelo círculo estrelado e incluindo o lema positivista “Ordem e Progresso”. As cores foram mantidas, porém deram “novos significados” a elas para tentar separar da origem monarquista. Isso indica que o maior símbolo da República brasileira e suas cores não representa por si só a identidade brasileira.

De fato, a nossa bandeira talvez nunca seja vermelha e nem deveria ser, nunca tentaram mudar, é mais um episódio de “A Assombração Comunista”. Embora a origem histórica tenha sido “romantizada”, hoje as cores verde e amarelo já estão bem enraizadas na cultura brasileira.

Post navigation

Anderson Siqueira

Editor-chefe, escritor, professor de idiomas e assina o Blog do Siqueira