CRISE NA 364

Mesmo após pedido do presidente, manifestantes se negam a liberar BR-364 em Rondônia


Apesar das desobstruções da rodovia BR-364 no Acre, manifestantes dos distritos de Extrema e Vila Califórnia, de Rondônia, afirmam que não vão ceder à pressão e continuam com o bloqueio. Eles protestam contra a vitória de Lula (PT) como novo presidente.

A paralisação desrespeita uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que proíbe os atos. Além disso, o próprio presidente Jair Bolsonaro (PL) já se pronunciou em vídeo pedindo o fim das obstruções.

— “Brasileiros que estão protestando por todo o Brasil: sei que vocês estão chateados, estão tristes, esperavam outra coisa. Eu também. Estou tão chateado e triste como vocês, mas nós temos que ter a cabeça no lugar. Os protestos, as manifestações são muito bem-vindos e fazem parte do jogo democrático. E, ao longo dos anos, muito disso foi feito pelo Brasil, na Esplanada, Copacabana, Paulista, entre tantos e tantos lugares. Mas tem algo que não é legal: o fechamento de rodovias pelo Brasil prejudicam o direito de ir e vir das pessoas”, disse o presidente.

Segundo informações divulgadas pelo ac24Horas, os manifestantes de Extrema disseram que aguardam um suposto documento que comprovaria fraudes no processo eleitoral e anularia a vitória de Lula. Em Rondônia, os bloqueios afetam diretamente o Acre e ocorrem em 10 trechos diferentes, entre eles em Vilhena, Nova Mamoré, Jaci-Paraná, Ji-Paraná, Ariquemes e Cacoal.

Sobre o pedido do presidente, circulou nas redes sociais imagens de grupos de WhatsApp onde apoiadores de Bolsonaro se negam a acreditar que era ele no vídeo divulgado em seus próprios perfis oficiais. Conforme você vê nas imagens abaixo:

ImagemImagem

É importante ressaltar que os atos são considerados antidemocráticos, uma vez que juridicamente a vitória de Lula é legítima. Aqueles que reconhecem que uma fraude pode não ser comprovada, dizem que não aceitam que um “ex-presidiário” governe o país.

Eleito presidente pela terceira vez com a maior quantidade de votos da história, Lula foi preso no dia 7 de abril de 2018, após se entregar à Polícia Federal (PF) no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC em São Bernardo do Campo (SP). O ex-presidente foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso de um triplex no Guarujá (SP).

Ele foi solto no dia 8 de novembro de 2019 e recuperou seus direitos políticos após uma série de vitórias na Justiça, como a anulação de condenações da Lava Jato e a suspeição do ex-juiz Sergio Moro (União Brasil) — eleito senador pelo Paraná — no caso do triplex. Com as anulações, Lula ficou sem nenhuma condenação criminal em qualquer instância da Justiça, o que o torna juridicamente inocente, devendo ter sua posse legitimada. A vitória de Lula nas urnas já foi reconhecida pelos presidentes da Câmara e Senado, além de próprios aliados do presidente Jair Bolsonaro.

Post navigation

Anderson Siqueira

Editor-chefe, escritor, amante de meditação e da boa cozinha. Contato: andersonsiqueira.br@gmail.com